Ministério da Cultura e Secretaria de Estado da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer apresentam:
Logotipo
Rainhas O tempo da diversidade chegou

16 de Julho a 2 de Agosto de 2020

O tempo da diversidade chegou

16 de Julho a 2 de Agosto de 2020

Rainhas
Festival de Folclore

Grupos Regionais

DCG Província do Quero-Quero CAERGS

De onde vem o grupo?
Gravataí

                O Departamento de Cultura Gaúcha Província do Quero-quero da Caergs foi fundado em 29 de junho de 1984. As atividades iniciais eram realizadas no clube Estância Província de São Pedro, onde o Departamento permaneceu até 2002, quando se tornou independente. Em 2003, o DCG foi responsável pela criação da Casa dos Açores do Estado do Rio Grande do Sul, se tornando um departamento desta entidade.
            A principal função do DCG Província do Quero-quero é cultuar o tradicionalismo, o sentimento de ser gaúcho e as raízes açorianas. Por meio da pesquisa, dos costumes e tradições de seus antepassados e do canto e da dança, o grupo procura transmitir autenticidade.


Equipe de Shows Nadima Murad - Dança do Ventre e Folclore Árabe

De onde vem o grupo?
Porto Alegre - RS

            A Equipe de Shows Nadima Murad foi fundada pela Mestra Nadima Murad, professora, bailarina, produtora, coreógrafa e diretora, que estuda a Dança do Ventre e folclore árabe desde 1995. Nadima Murad é reconhecida no Brasil e no mundo por suas conquistas profissionais: fundou a Escola de Dança do Ventre Nadima Murad (1997); participou da novela "O Clone" (2001-2002), da Rede Globo, como Bailarina Solista; e foi a primeira gaúcha a pertencer ao seleto grupo de bailarinas com o padrão de qualidade Khan el Khalili. Em 1999, criou o Festival de Dança do Ventre do Rio Grande do Sul.
            Atualmente, Nadima Murad reside em Dubai com sua família, onde ministra aulas particulares e fornece assessoramento para bailarinas de diversas partes do mundo, assim como mantém viva a Dança do Ventre, o Folclore e a Cultura Árabe no Rio Grande do Sul por meio da Equipe de Shows, artística e cultural, consolidada por sua tradição, pela valorização e amor à arte da dança.

 


Folclore Ucraniano Solovey

De onde vem o grupo?
Canoas - RS

             Tudo começou quando uma grande leva de imigrantes chegou ao Brasil, trazendo, além de suas malas, a saudade de sua terra natal. Sendo um povo muito apegado à religião e à tradição, uniram suas forças para construir uma paróquia, com o objetivo de cultuar seus ritos religiosos e uma sede social, para organizar encontros com os amigos. Como são muito alegres e festeiros, os jovens queriam mais, criando então, um grupo de danças, no qual os encontros poderiam ser mais descontraídos, revivendo assim, os momentos de festa e alegria que trouxeram consigo. Desta forma, poderiam transmitir um pouco de sua cultura, que passou a ser do Brasil, no momento em que os ucranianos chegaram a este país.
            Com o passar dos anos, o Grupo Folclórico foi evoluindo, e recebeu o nome de Folclore Ucraniano Solovey em setembro de 1990, ano em que foi fundado Fundado por Alexandre Schwec. Atualmente, o grupo é presidido por Alexandre Oliveira e completou vinte e oito anos de ininterrupto trabalho de preservação e divulgação da cultura ucraniana.

O grupo exibe, por meio de sua dança, artesanato e de seu canto, a ligação que possui com a arte dos ancestrais, formando uma grande família que segue na utópica busca da perfeição e do crescimento. É um grupo de danças formado por jovens que procuram de forma séria e comprometida divulgar a cultura ucraniana por onde passam.
            O Solovey destacou-se em 2001, quando recebeu do Governo Ucraniano o Certificado de Reconhecimento como sendo único grupo do Rio Grande do Sul a manter na íntegra a cultura ucraniana. Já realizou espetáculos em diversos estados Brasileiros e países da América Latina. Em 6 de setembro de 2002, conquistou o Primeiro Lugar no 8° Santa Maria em Dança, como Melhor Grupo de Folclore e o 1º lugar como Melhor Grupo do Festival.
Com 28 anos de existência e com cerca de 40 dançarinos, o grupo divulga a cultura ucraniana nas mais variadas festividades, sempre em busca do mais tradicional no que existe na preservação da cultura. 
            Com sede na cidade de Canoas, Rio Grande do Sul, o grupo está vinculado à Igreja Ortodoxa Ucraniana Santíssima Trindade. Com coreografias de Alexandre Oliveira, que há 28 anos trabalha com o grupo, o Solovey encanta o público por onde passa. O Solovey, apesar de ser um grupo amador, desenvolve com profissionalismo e responsabilidade o prazeroso encargo de propagação da cultura ucraniana.


Grupo de Danças Árabes Hayat

De onde vem o grupo?
Ijuí - RS

           Fundado no dia 15 de julho de 1996 pela libanesa Nawal Hatem, membro da etnia árabe, o grupo Hayat teve inúmeros bailarinos que passaram pelo grupo e consequentemente, coordenadores e coreógrafos. Alguns dos nomes que se destacam são: Nawal Hatem, Rubia Abreu, Vantuir Patrick Vione, Flávio de Lima, Luciane Martins, Alessandra Azambuja e a atual coreógrafa Aliny Minosso. O grupo já foi premiado em festivais de dança na capital gaúcha e em cidades do interior do estado. Na edição de 2002 do Festival Porto Alegre em Dança, o Grupo Hayat conquistou 2° e 3° lugares na categoria folclore de imigração e 2° lugar na categoria folclore de projeção. Na edição de 2008 do festival Santa Rosa em Dança, o grupo conquistou 2° lugar em folclore, já no ano de 2010, no mesmo evento, o grupo conquistou o 1° lugar na mesma categoria. No ano de 2015 foi premiado no 9° Santo Ângelo em Dança, no qual conquistou o 1° lugar na categoria Folclore Avançado. No ano de 2016 foi criado o espetáculo Alb: Memória de um Coração Árabe, em comemoração aos 20 anos do grupo. O mesmo foi inscrito no edital do governo e conquistou o prêmio Lacen Dança, pelo Pró Cultura RS, ficando entre os cinco escolhidos de 80 inscritos para percorrer seis cidades do interior do Rio Grande do Sul. A turnê iniciou no dia 21 de abril de 2018 e finalizou no dia 8 de julho de 2018. O Hayat percorreu, em várias oportunidades, muitas cidades do RS e de outros estados do Brasil. Nas edições da Expoijuí e Fenadi, o grupo é um dos mais assistidos pelo público, que se encanta com o movimento da dança oriental.


Grupo Folclórico Polonês De Áurea – AURESOVIA

De onde vem o grupo?
Áurea

                 Denominada Capital Polonesa dos brasileiros, Áurea é conhecida pela grande concentração de descendentes poloneses, oriundos dos primeiros imigrantes que chegaram para colonizar e desbravar as terras do Alto Uruguai. Os imigrantes trouxeram na bagagem a força, a bravura e a perseverança do povo polonês, além de suas tradições e cultura, que ainda são mantidas.
             As primeiras manifestações artísticas de cultivo às tradições e ao folclore começaram a ser desenvolvidas pelas Irmãs da Sagrada Família de Maria, que fundaram, em 3 de maio de 1930, o primeiro grupo de danças folclóricas, batizado na época de Orzel Bialy. Em 1950, devido questões sócio-políticas que impediam o uso de nomes estrangeiros, o Grupo passou a se chamar Águia Branca, tradução literal do nome de fundação do grupo.
No ano de 1981, o grupo sofreu mais uma alteração em seu nome, passando a se chamar Auresovia e foi reestruturado pela Irmã Rosália Krupinski, com apoio do Padre Josef Wojnar, que teve um importante papel não só área cultural, mas também na emancipação do Município. Sete anos após seu restabelecimento, o grupo teve seu registro formalizado, denominando-se então, Grupo Folclórico Polonês Auresovia.
            Cultivando uma tradição de mais de 80 anos em folclore e cultura polonesa, o Grupo Auresovia continua permeando a importância de manter vivos os costumes e tradições de seus antepassados, difundindo a cultura do povo polonês por onde passa. O Auresovia é composto por 45 dançarinos, divididos nos elencos Mirim, Juvenil e Adulto. O grupo desempenha papel fundamental na formação de crianças e jovens, por meio da arte, cultura e folclore.


Grupo Folclórico Russo Troyka

De onde vem o grupo?
Campina das Missões - RS

            O Grupo Folclórico Russo TROYKA, de Campina das Missões, registrado na Secretaria da Cultura/RS como Produtor Cultural, sob nº 672, fundado em julho de 1992, é mantido pela Associação Cultural Russa Volga do Brasil. O grupo representa a etnia russa com danças alegres e vibrantes do fascinante folclore russo, sendo o único do Sul do Brasil, no gênero.
            A entidade é presidida por Jacinto Anatólio Zabolotsky e tem como coordenadora geral a professora Ilse Ana Zabolotsky, sendo monitora principal Luana Braun, auxiliada por Marina, Augusto e Rafael. Com intensos ensaios semanais, o grupo busca aprimorar, inovar e apresentar excelência nas danças do fascinante folclore russo, sem jamais esquecer da honra.
            Em sua trajetória de sucessos o grupo comemorou, em 2017, o Jubileu de Prata, ou seja, 25 anos de trajetória de sucessos (1992-2017). Constam em seu vasto currículo mais de 650 shows nos principais festivais, eventos e feiras locais, regionais, nacionais e internacionais. Levamos a bandeira de Campina das Missões às principais feiras regionais com brilhantismo. O grupo tem mais 30 integrantes e zela pela responsabilidade, disciplina e respeito.